• facebook
  • flickr
  • twitter
  • SHIT HAPPENS – MARKETING OU GESTÃO DO IMPONDERÁVEL – CASO GALLIANO

    Tendencias e Inspiração

    03/03/2011

     

     

    Nesta semana, o caso do estilista britânico John Galliano, ficou batendo na minha cabeça. Eu gosto muito da ousadia do criador. Suas coleções sempre me fizeram vibrar tanto pela criatividade das inspirações, o desenvolvimento das coleções, sua modelagem, alfaiataria e principalmente sua ousadia criativa.

    Um fato, uma bebedeira, uma briga de palavras idiota em um bar de Paris, atiçaram o começo do fim da carreira de Galliano pelo menos na Maison Dior.

    De repente, a Maison Dior, do grupo LA Christian Dior, que pertence ao grupo Louis Vuitton Moet Henessy (LVMH), o maior grupo de moda do mundo, estava envolvida em um escandalo sem prescedentes.

    Numa situação de crise qual a medida que uma marca de peso tem que tomar para minimizar as consequencias de um ato que por envolver a marca como un todo?

    No caso da Maison Dior a primeira atitude foi afastar John Galliano da empresa até os fatos serem apurados e esclarecidas pela Polícia. Mas nem isso deu para esperar pois dois dias depois do acontecido, explode na internet um video (feito por celular) de Galliano, no mesmo bar, também embriagado, declarando seu amor a Hitler. Foi o golpe de misericórdia num dos criativos mais queridos do mundo da moda. Foi sumariamente demitido de seu cargo.

    Foi a melhor solução? Em termos de marketing?  Sim.

    Vivemos em um mundo onde o “politicamente correto” já é velho e só isso já não basta. Grandes empresas tem que mostrar ao mundo seu envolvimento com as grandes causas sociais, repeito e preservação do planeta em que vivemos.

    Galliano mexeu com uma etnia (quantas vezes ele foi inspirado por etnias), uma atitude anti-semita que poderia levar a consequencias desastrosas a marca. As ações da Dior cairam quase 1% desde ontem quando foi comunicado a demissão de Galliano e as ações do grupo mãe, LVMH caíram 1,86% sendo negociadas nos 113,15 euros, nas vésperas dos desfiles de suas grandes marcas no Paris Fashion Week.

    Alguns analistas acreditam que a saída de John Galliano pode provocar uma quebra significativa nas vendas da Dior, que deve apresentar em Paris a coleção Outono/Inverno 2011 assinada pelo estilista.

    Imagino que isso seja a curto prazo, mas tenho a certeza que a manutenção do estilista junto a marca causaria prejuizos bem maiores.

    Gestão do imponderável ou marketing do imponderável. Podemos batizar com este nome,  situações inusitadas como esta. Uma bebedeira  poderia ter custado muito caro. A posição da Dior foi extremamente correta. E com PT (perda total) para John Galliano.

    Os americanos tem um têrmo fantástico, que traduz muito bem o ocorrido que é “Shit Happens” ou “Merdas acontecem”. Nunca podemos prever uma coisa dessas.

    Lembro-me que quando trabalhava na Salles, uma das grandes agências que fiqeram a história da propaganda no Brasil, tinhamos um esquema de plantão e de emergência em função das enormes contas que atendíamos como era o caso do Bradesco.

    Mais de uma vez este esquema foi acionado em fins de semanas e feriados. A resposta a uma situação de risco sempre tinha que ser dada com a maior rapidez possível. E tinhamos que literalmete “ligar a agência” em qualquer momento do dia ou da noite. Um dos casos que mais ilustram tudo isso foi o do Plano Collor, onde em um unico dia todo dinheiro do País tinha sido confiscado e nem mesmo o governo sabia como os Bancos abririam na segunda-feira.

    Todo o esquema da agência foi montado e passamos o fim de semana na cidade de Deus, onde  os maiores executivos de todos os bancos, junto com os economistas do proprio governo e a agência, traduziram o que foi o Plano Collor. No domingo, em rede Nacional, um comunicado assinado pela Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) tranquilizava e explicava o que era o Plano Collor para toda população. Na segunda-feira o mesmo comunicado foi publicado em jornais de todo País. Diante de uma população ainda chocada, os bancos abriram normalmente.

    Agilidade e rapidez na resposta (que deve ser sempre a correta).

    Outro caso que me lembro, e me marcou muito, foi a queda do Folker 100 da TAM em 1996 (perdi no acidente meu melhor amigo). Nesta época ainda pela Salles também, atendíamos a conta da TAM. Um esquema imenso foi montado para atender as famílias das vítimas e alguns dias depois o proprio Comandante Rolin foi na casa de cada uma das 109 vitimas dar seu apoio incondicional a todas as familias. Para as famílias ainda foi pouco mas para a opinião publica foi um ato de humildade e coragem olhar uma a uma todas aquelas sofridas pessoas. Nada demais para um cara que comprimentava cada passageiro (os que eram mais frequentes pelo nome) ao embarcarem nas suas aeronaves. Muitas vezes fizemos reuniões dentro de um avião por absolutamente falta de tempo.

    É, shit happens, e devemos sempre estar preparados para elas. Paulo Fernando – Comunidade Moda (lembrando um pouco como era bom ser publicitário e ter o privilégio de ter trabalhado com pessoas brilhantes).

    Artigos Relacionados:

    Tendencia Inverno 2011 - As principais capas de revistas de agosto e setembro
    Grandes Coleções | Louis Vuitton by Yayoi Kusama | Uma aula de estratégia
    A Moda é o Punk | PUNK: Chaos to Culture | Metropolitan Museum of Costume Institute do Art

    Deixe sua opinião

    7 respostas para “SHIT HAPPENS – MARKETING OU GESTÃO DO IMPONDERÁVEL – CASO GALLIANO”

    1. Eliene Franco disse:

      Paulinho, PARABÉNS ,que texto maravilhoso , fiquei emocionada, SEI GRANDE!!!E….., merdas acontecem com todos infelizmente , admiro MUIIIIIITO Galliano, e torço para que se resolva da melhor maneira possível, e vou te dizer eu tenho algo (acho que é intuição)que insiste em me convencer que ele voltará mais BRILHANTE AINDA, UMA ESTRELA AS VEZES FICA MEIA “NUBLADA” POR UMA NUVEM QUE DE REPENTE ESTA LHE TAPANDO UM POUCO, MAIS ELAS SEMPRE PASSAM E A ESTRELA CONTINUA E CONTINUARÁ P/ SEMPRE BRILHANDO!!Beijos no cuore,eli

    2. Marc disse:

      Que bom, o texto, a gente que gosta do trabalho do estilista fica meio aéreo. abraço. Marc

    3. Textos inteligentes e esclarecedores como os teus muitas vezes nos mostra o caminho a seguir…

      Um Beijo grande Paulo.
      Admiro muito teu trabalho, sempre sério e cheio de informações.

      Neila oliveira

    4. Parabéns pelo texto!
      A saída do “genial” Galliano do grupo LV foi realmente algo que abalou e pegou de surpresa a todos. Começou com uma banalidade e terminou de forma asquerosa.
      abs

    5. O tempo será o grande aliado de Jhon Galliano e de todos nós! Á ele para que se retrate e refaça seu caminho genial, seja onde for… E a nós, para que continuemos amar a Maison Dior sem Galliano e seu trabalho magnifico!

    6. [...] Mas hoje vivemos em um mundo, que uma simples foto ou um filme, feito em um celular queima nomes como o de John Galliano que num momento de total embriagues falou besteira e pagou muito caro pela besteira que fez. Mas, sua história, suas criações, sua obra estão aí inspirando e ensinando. E a sua besteira virou até um artigo que escrevi chamado “Marketing do imponderável”. [...]

    7. [...] John Galliano é um dos maiores estilistas do mundo e acredito que pagou muito caro em razão de suas inúmeras besteiras que ele fez totalmente embriagado. Mas infelizmente, falou e o pior tudo foi gravado (vejam matéria do caso clicando aqui). [...]

    Deixe uma resposta

    ComunidadeModa 2013 - Todos os direitos reservados